2° Piso

QUARTO-GABINETE DE DON BOSCO (1853-1861)
Foi construído em 1853 e desde então passou a ser quarto de dormir e gabinete de trabalho de Don Bosco.Vamos recordar os episódios mais importantes que aconteceram aqui:
26 JANEIRO 1854: OS PRIMEIROS SALESIANOS
Don Bosco reúne neste lugar os jovens Rua, Cagliero, Rocchietti, Artiglia e diz-lhes:Com a ajuda de Deus, convido-vos a formar comigo uma Sociedade. Chamar-nos-emos Salesianos”. Foi aqui que, pela primeira vez, se ouviu a palavra “Salesianos” (MB V,9).
29 OUTUBRO 1854: S. DOMINGOS SÁVIO
Neste lugar, passando pela porta que dá para o patamar (não havia outra porta) entra Domingos Sávio com o seu Pai. A primeira coisa que vê é aquele cartaz: “Da mihi animas coetera tolle”. Don Bosco ajuda-o a compreender o que é o lema da sua ordenação sacerdotal:  “Dá-me almas, Senhor, e toma o resto”. Domingos muito sério comenta: “Compreendi. Aqui não se faz negócio de dinheiro mas de almas. Espero que a minha alma faça um bom negócio”.

25 MARÇO 1855: MIGUEL RUA, O PRIMEIRO SALESIANO

O clérigo Miguel Rua (tinha tomado a batina havia três anos) ajoelha-se neste pavimento e diante de Don Bosco pronuncia os votos de pobreza, castidade e obediência. É o primeiro salesiano. Alguns ladrilhos do chão primitivo conservam-se no canto à esquerda de quem entra. Foi aqui que Don Bosco escreveu as primeiras Regras dos Salesianos; o raio que nessa noite desceu pela chaminé, abanou fortemente a cama e virou a secretária estragando todo o primeiro manuscrito aconteceu precisamente aqui.
Em 1861 o edifício foi ampliado para oriente e os aposentos de D. Bosco foram transferidos para essa parte nova. Os aposentos anteriores ficaram para gabinete do seu secretário e salinha de visitas para todos aqueles (sempre em maior número) que queriam falar com Don Bosco.

A CAPELA
É uma capela pequena onde Don Bosco celebrava Missa nos últimos anos da sua vida. Por cima do altar há uma imagem de Maria Auxiliadora, obra do pintor Rollini. Don Bosco celebrou aqui a última Missa no dia 11 de Dezembro 1887. Seguidamente era algum dos Salesianos que celebrava. Don Bosco participava do seu quarto com a porta aberta sendo-lhe levada a comunhão no devido momento.
Nas duas vitrinas estão expostos paramentos litúrgicos e objectos sagrados: cálices, custódias e o Missal aberto na página que celebra o dia da Páscoa do Senhor (para recordar o início do Oratório no dia 12 de Abril de 1846).

CORREDOR
Foi construído de propósito para Don Bosco que aqui passeava e confessava os jovens. Através das grandes janelas podia contemplar as duas realidades que lhe eram mais queridas: os rapazes que jogavam no pátio e a Basílica de Maria Auxiliadora.
Na vitrina do meio estão expostas peças de vestuário usadas pelo santo: batina, sobretudo, luvas, cachecol, etc.
Na parte fechada do corredor, há uma salinha com a mesa usada nas reuniões do Capítulo Superior e, em primeiro plano, o cadeirão onde foi colocado o corpo de Don Bosco, revestido dos paramentos e devidamente composto para o “último adeus” dos seus filhos.

O ÚLTIMO QUARTO DE DON BOSCO

No leito aqui ao lado, Don Bosco viveu os seus últimos dias. Não tinha nenhuma doença mortal mas a sua vida era como uma vela que se gastou até ao pavio. Na última viagem que fez à França para angariar meios para as suas obras, o Dr. Combai, célebre médico de Marselha, quis visitá-lo e disse:
” O senhor é como um fato gasto. Foi usado à semana e ao domingo e agora para o conservar só há um remédio: fechá-lo no guarda-fatos. Compreende que lhe estou a recomendar repouso absoluto”.
“Agradeço, senhor Doutor, mas esse é o único remédio que eu não posso tomar”.
Morreu na madrugada do dia 31 de Janeiro 1888. Aos Salesianos que velavam à volta do seu leito murmurou nas últimas horas:
” Amai-vos como irmãos. * Fazei o bem a todos; não façais mal a ninguém… * Dizei aos meus rapazes que os espero a todos no paraíso”.
A urna de Don Bosco foi visitada por milhares de pessoas: Salesianos, Filhas de Maria Auxiliadora, Cooperadores, amigos e imensos fiéis da cidade de Turim e arredores. A sensação geral era: “Morreu um santo que amou muito a Deus e aos jovens”. O funeral foi um verdadeiro triunfo com uma enorme afluência de povo. Neste quarto, servindo-se de uma estante de madeira, no dia 19 de Dezembro de 1887, Don Bosco escreveu as suas últimas palavras no verso de alguns santinhos: breves pensamentos para mandar aos benfeitores em sinal de gratidão.
As últimas cinco frases que escreveu, com uma caligrafia quase ilegível foram:
* “Quem salvar a alma tem tudo salvo. Quem perder a alma, perde tudo”.
* “Quem proteger os pobres será largamente recompensado no tribunal divino”.
* “Que grande recompensa teremos de todo o bem que fizermos em vida!”
* “Quem fizer o bem durante a vida encontrará o bem na hora da morte”.
* “No Paraíso gozam-se todos os bens para sempre”.

O SEGUNDO QUARTO DE DON BOSCO (1861-1887)  

Este foi o quarto de Don Bosco entre 1861 e 1887. Nesta secretária foram escritas mais de 20 mil cartas e muitos livros destinados à instrução dos jovens. Tudo isto era feito quase só de noite e à luz de uma vela. Depois da sua morte, durante 22 anos este foi o gabinete e o quarto de dormir de Don Miguel Rua, primeiro sucessor de D. Bosco. A credência em vidro conserva objectos usados por D. Bosco: Chávenas, copos, talheres, a garrafa de água (perfeitamente sigilada) que estava na mesinha de cabeceira do Santo no dia da sua morte. Em baixo, uma caixa de avelãs: são as que sobraram do milagre da “multiplicação”… De um pequenino saco comeram 130 rapazes.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *